quinta-feira, 23 de setembro de 2010

-  bom dia ser do deserto, quem te graniza nesses meses?
- cinza
 cimento carcerário
- nenhuma flor morta?
 viva também serve
- sim, uma pequenucha
- mas de preferência morta, por favor. é pra um enterro
- mas, regando ela vinga
- nunca entendi flores vivas em enterro. é uma celebração da morte, ora essas
 ela tem cor ou é daquele marrom da morte?
- tem cor de seca
- seca... como as sempre-vivas
- tons pastéis
 cinza cimento
- acho bonito
 nunca vi flor assim
- tem gosto salgado
 tem cheiro de mar
- deve ser engraçado comer essa flor
 você riu?
- tão pequenina que mal cabe nos olhos
 não pude evitar, faz cócegas no céu da boca
- ah, então você colocou nos olhos. por isso estão salgadas e com cheiro de mar
 bota as flores no mar dos olhos, depois no céu da boca
 falta a terra do ânus e o fogo do sexo
-somos, nos reconhecemos, raiz terra
 a brasa sossegada na bituca do dedo



[com a colaboração de d'o desvio]

Um comentário:

asth disse...

amo essa conversa de flores;)