segunda-feira, 23 de março de 2009

Por que é tão difícil perceber - e tão fácil de esquecer - o que eu já sei há tanto tempo?

Achar novas peças do quebra-cabeça me dói como se eu as perdesse.

domingo, 8 de março de 2009

Quando uma bomba explode os fragmentos ficam todos espalhados pelos meus cômodos internos que se parecem com os desta casa misturados com a casa dos meus pais, a casa dos meus amigos e todos os lugares que aspiram confiança para que todas as minhas pessoas de dentro se hospedem. Então eu me sento em um dos cômodos e sinto falta de alguma coisa que pode ter ido parar em qualquer lugar da grande casa. Ou quem sabe tenha quebrado uma janela e ido parar no enorme jardim e o vento tenha levado para a floresta infinita. Sinto um vazio enorme e me desespero por um tempo, depois percebo que preciso encontrar as coisas e limpá-las da poeira da combustão e do tempo. A grande contradição está no fato de que esta grande desorganização me causa um ansiedade tamanha que não consigo a serenidade e a paciência pra sair pelos cantos procurando organizar. Saio procurando novas bombas, maiores, até que não reste mais nada, nada de mim.